Os fungos não são exigentes. Papelão, plástico, combustível de aviação e amianto – os fungos devorarão todos. Em 2007, cientistas que estudavam a paisagem arruinada de Chernobyl descobriram um fungo capaz de “comer” radiação. Quase não é preciso dizer, então, que os fungos têm poucos problemas para nos decompor.

O inventor holandês Bob Hendrikx está aproveitando o poder dos fungos usando micélio, as vastas teias de fios fúngicos que normalmente ficam no subsolo, como uma alternativa aos tradicionais caixões de madeira.

Seu “caixão vivo” e ecologicamente correto, diz ele, não é apenas zero carbono para crescer, mas se decompõe em seis semanas em contraste com os dos 20 anos que pode levar para um caixão de madeira normal. O caixão também trabalha decompondo o corpo, acelerando o processo pelo qual a natureza pode absorver os nutrientes do defunto.

A empresa de Hendrikx, Loop, não é a primeira a se prender ao eco-caixão. Restos humanos cremados podem ser colocados em vagens para cultivar árvores ou lançados em recifes artificiais de coral, enquanto caixões feitos de vime, macramé e papelão estão todos no mercado.

Os enterros florestais, onde caixões e roupas são feitos de materiais totalmente naturais, também estão experimentando um ressurgimento. Quando o ator Luke Perry morreu, em 2019, ele foi enterrado em um “terno de cogumelo” projetado para ajudar a decompor seu corpo.

Mas usar o micélio para encerrar o corpo em um “caixão vivo” é uma abordagem inovadora. A motivação é simples: algumas práticas funerárias são ruins para o meio ambiente. Só nos Estados Unidos, mais de 4 milhões de galões de líquido de embalsamamento são usados todos os anos para enterros, de acordo com o Green Burial Council. O fluido de embalsamamento contém ingredientes tóxicos, como o formaldeído, que pode causar lixiviação do solo.

A cremação tem seus próprios problemas, liberando quantidades consideráveis de carbono para a atmosfera e possivelmente metais pesados se estiverem presentes no corpo (a Agência de Proteção Ambiental dos EUA calculou que quase 2 toneladas de mercúrio, encontradas em obturações dentárias, foram emitidas por cremações humanas em 2014).

“O que realmente me frustra é que quando eu morro, estou poluindo a Terra. Eu sou um desperdício”, diz Hendrikx. Ele descreve o corpo como um “caixote do lixo ambulante de 219 produtos químicos”, mesmo antes da inclusão de metais, madeira e cola tipicamente usados em caixões.

“Nossos atuais processos de enterro levam ao esgotamento de materiais, poluição do solo e emissões de CO2“, acrescenta ele. “Criamos um processo super industrial para um dos processos mais naturais da Terra”.

Mas, dado o tratamento correto, o corpo torna-se “um belo saco de adubo”. Os cogumelos, diz Hendrikx, “são conhecidos como o maior reciclador do mundo”, transformando a matéria orgânica morta em nova vida vegetal. “Por que não estamos usando isto?”

Caixão de fungos e seu criador, Bob Hendrikx / Foto: Cortesia da Loop para a CNN

O “Casulo Vivo” da Loop é composto de micélio cultivado em laboratório, cavacos de madeira e ingredientes secretos, colocados em um molde e crescidos em forma de caixão ao longo de uma semana.

Uma vez concluído, o musgo cheio de microorganismos é colocado no fundo, no qual o corpo é colocado. Uma vez que a estrutura entra em contato com o solo úmido, o micélio ganha vida e o processo começa.

A Loop fez parceria com os pioneiros dos biomateriais Ecovative para testar o produto, que, segundo Hendrikx, se decomporá em 45 dias.

“Não desaparece”, acrescenta ele, “porque depois ele ainda fica trabalhando em seu corpo”. Ele diz que os cálculos feitos pela Loop com a contribuição de especialistas indicam que um corpo se decomporá completamente em dois ou três anos.

O caixão, que é fabricado em Delft, está à venda por 1.495 euros (1.700 dólares). Joerg Vieweg, proprietário de casas funerárias na Alemanha, é um dos clientes da Hendrikx. Vieweg diz que o caixão de micélio é “um bom exemplo de como conseguir algo ecologicamente correto com pouca mudança na tradição de despedida”.

“(Ele) não muda fundamentalmente o processo e as tradições (de preparar um corpo para o enterro)”, acrescenta ele, o que torna o enterro em um caixão de micélio mais socialmente aceitável.

Até hoje, cerca de 100 enterros foram realizados com o Casulo Vivo na Holanda, Alemanha e Bélgica, diz Hendrikx. Ele diz que as leis em alguns países europeus são mais favoráveis para o caixão do que em outros. “É um mercado superconservador”, acrescenta ele, “o mesmo de sempre”.

“Acho que somos menos tradicionais (na Holanda)”, argumenta Heidi van Haastert, diretora da filial da BGNU, a associação de empresas funerárias do país.

“O desafio neste momento é como podemos convencer as famílias a organizar um funeral sustentável”, acrescenta ela. “Os consumidores não estão conscientes das (opções funerárias sustentáveis), porque o problema é, quantas vezes vocês organizam um funeral? Há apenas uma ou duas vezes em sua vida que você é responsável”.

Van Haastert diz que as empresas funerárias na Holanda estão agora treinando seus funcionários para discutir opções neutras para o clima com as famílias enlutadas, e ela espera que novas diretrizes legislativas sejam introduzidas para funerais alternativos.

Enquanto descreve o produto da Loop como “nichado” no momento, ela especula que “dentro de cinco anos (as pessoas) vão pedir mais por este tipo de caixões”.

Hendrikx acredita ter encontrado uma solução positiva e, à medida que a Loop procura se expandir, ele visa criar caixões utilizando amostras de fungos locais em seu destino final para garantir que eles tenham o melhor impacto ambiental possível.

“Em vez de fazer uma coisa ruim, ou menos ruim (após a morte), você pode realmente fazer algo bom”, diz ele, justificando sua invenção.

Vieweg acredita que a indústria funerária está “enfrentando uma tremenda mudança de paradigma”.

“As pessoas são criativas e buscam soluções sustentáveis para proteger nosso meio ambiente”, diz ela. “Os rituais que foram vividos até agora também sobreviverão e novos se desenvolverão. Experimentar este processo é excitante e desafiador”.

 

Fonte: CNN

Deixar um comentário